Peixes Dipnóicos Os Sobreviventes da Seca

Essa estranha criatura na verdade se trata de um peixe pulmonado que fascinou os primeiros naturalistas que estudaram as poucas espécies ainda vivas nos tempos modernos. Estes peixes dipnoicos pertencem à classe dos sarcopterígios, peixes ósseos, que apresentam bexiga natatória adaptada à respiração aérea. A sua diversidade foi revivida durante o Período Triássico, mas declinou gradualmente restando apenas três gêneros existentes hoje: Neoceratodus na Austrália, Lepidosiren na Amazônia, e quatro espécies do gênero Protopterus na África tropical. A maior delas é a espécie australiana, que podem crescer até 1,8 metros.

Dipnóicos

O nome “Dipnóico” significa “respiro duplo”, porque, além de guelras, todos eles têm um ou dois pulmões funcionais. Ambas as espécies norte-americanas e africanas de peixes pulmonados são dependentes de ar para a sobrevivência, suas guelras degeneraram tanto que se não puderem atingir a superfície acabam se afogando.

Tais características estranhas sugeriu uma vez este grupo de peixes foi o ancestral de todos os vertebrados terrestres. Por exemplo, as espécies australianas ainda tem barbatanas fortes o suficiente para levantar o corpo na terra e ir para outra poça de água. Várias características podem ser usados ​​para reconhecer o Dipnóico, mas sua anatomia cranial é particularmente distinta. O crânio e aparelhos mandíbulares tendem a exibir um certo grau de consolidação e não existem dentes ao longo da mandíbula inferior. As regiões dorsal, caudal e anal em peixes pulmonados são fundidas em uma única barbatana que envolve a metade traseira do animal.

dipnoicos

Alimentação dos Dipnóicos

São onívoros e comem uma grande variedade de presas, incluindo crustáceos, larvas de insetos e outros invertebrados como moluscos.

Sobrevivência dos Dipnóicos

No verão Africano permanecem em dormência (estivação). Durante uma seca, eles cavam uma toca na lama e fazem um casulo feito de muco secretado pela pele que se mistura com a lama em torno de si. No casulo há uma pequena abertura ligada à superfície permitindo a entrada de ar suficiente para manter o peixe vivo onde permanece enterrado durante vários meses. Podem permanecer até 2 anos na ausência de água. Quando as chuvas finalmente retornam, emergem e retomam a natação. Várias tocas fossilizadas contendo dipnoicos hibernando foram encontrados em camadas que datam do início do Período Permiano entre 345 a 395 milhões de anos atrás. O comportamento de estivação, o que implica a capacidade de respirar ar pode ter se desenvolvido pela final do Período Devoniano, ou durante o Carbonífero, quando este grupo invadiu os ecossistemas de água doce.

Se você gostou desse artigo, deixe seu comentário abaixo.



Gostou desse artigo? Dê seu voto!

(21 votos, média: 4,57 de 5)

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente!
Loading...
  • Marcio Leite

    Eu vi uma matéria sobre este peixe no Discouvery e fiquei extremamente impressionado, ele chega ficar até 4 anos em inércia total dentro de um pedaço de barro seco e na primeira chuva que cai e umedece o barro ele sai e vai em busca da poça d’água.

    • Que bom Marcio que gostou dos peixes dipnóicos e veio até o nosso site para comentar sobre eles.

      Agradeço seu comentário.

      Um cordial abraço,
      Gleidson Henrique.

  • Ricardo

    Li Dan Brown