Arara azul – É a maior na família das araras!


A arara azul é a maior espécie no mundo da família Psittacidae. Essa família engloba aves populares como periquitos, papagaios e as próprias araras. Elas medem até 1 metro de comprimento da ponta do bico à ponta da cauda, com uma envergadura* de aproximadamente 120 centímetros. Quando adulta, pesam até 1,3 kg. A arara azul está entre as aves mais inteligentes que existem e seu nome científico é Anodorhynchus hyacinthinus.

É difícil encontrar uma arara azul sozinha em vida livre. Pois, assim como as outras araras, é uma ave social que vive em família, bandos ou grupos de 10 a 30 indivíduos. São aves barulhentas e curiosas que apresentam certa fidelidade aos locais de alimentação e reprodução.

Alimentação

Nativa das áreas centro-oeste, centro e sudeste do Brasil, a arara azul vive em áreas arborizadas de campos inundados, típicos do Pantanal.  A arara azul possui uma alimentação altamente especializada. Constituída basicamente de sementes de palmeiras, que ela consegue quebrar facilmente com a potência do seu grande bico. Buscam alimento sempre no início da manhã e no final da tarde. Se alimentam frequentemente no chão. Seus alimentos preferidos constituem-se dos frutos das palmeiras acuri, bocaiuva, babaçu e licuri, entre outros.

arara azul voando

 

Reprodução da Arara Azul

São aves monogâmicas, ou seja, depois da formação do casal, as aves não se separam jamais. Somente com a morte do macho ou da fêmea é que passam a viver sós. Dificilmente o indivíduo que restou arruma outro parceiro sexual. Este tipo de relacionamento com a formação de casal para a vida toda é chamado monogamia. É uma prática comum em diversas espécies de aves, principalmente na família Psittacidae. Proporciona para a espécie um melhor sucesso reprodutivo, pois se reproduzindo com um único parceiro sexual pode dedicar mais cuidado aos filhotes. Tem uma expectativa de vida de aproximadamente 35 anos. Somente entre 7 e 9 anos de idade é que a arara azul inicia sua vida reprodutiva, formando casais e criando a sua família.


Fazem os seus ninhos em grandes ocos de árvores sendo que, na região do Pantanal, o manduvi é a árvore preferida da arara azul para nidificar. Essa árvore possui um tronco grosso e seu cerne (interior) é macio, o que facilita a escavação e formação do ninho.

O período de reprodução concentra-se nos meses de setembro a outubro e a taxa de reprodução da espécie é baixa, sendo que alguns casais só se reproduzem a cada dois anos. A fêmea deposita, em média, 2 ovos que levam cerca 30 dias para incubação e nascimento dos filhotes. Com 3 meses de idade os filhotes deixam o ninho mas permanecem nas proximidades acompanhados dos pais, que ainda os alimentam e passam a ensinar aos filhotes características necessárias à vida adulta tais como buscar alimento, abrigo e a se defenderem contra predadores. Com 10 meses de vida, os filhotes já estão aptos a se alimentarem sozinhos, formando bandos de jovens e abandonando definitivamente os pais.

Ameaças

A arara azul é uma espécie ameaçada de extinção no Brasil devido à captura ilegal para o comércio de aves de estimação (que foi intensa até a década de 80 – atualmente o tráfico de araras azuis diminuiu bastante, mas ainda existe); a destruição do seu habitat pela atividade agropecuária no Pantanal e em outras regiões onde também ocorre; e a caça e coleta de penas para artesanato indígena (no Brasil está proibida desde 2005, sendo permitido apenas para cerimônias e outros usos dentro das reservas indígenas). Acrescenta-se a estes fatores algumas peculiaridades da espécie como possuir populações pequenas, baixa taxa reprodutiva e especialização na dieta e no hábitat, e encontramos então o quadro de uma espécie de beleza inigualável mas que necessita ser protegida e monitorada para que continue existindo e colorindo nossas matas.

Esse importante trabalho é realizado desde 1990 pela equipe do Projeto Arara Azul, com sede no Pantanal Sul Mato-Grossense. Visa preservar a espécie, com um trabalho constante de monitoramento e recuperação das aves e seus ninhos. Também atividades de educação ambiental, preservação e geração de renda para a população local. No total, são monitoradas aproximadamente 3 mil aves, que vivem em 364 ninhos espalhados por 47 fazendas da região.

* Envergadura – é a maior distância entre as pontas das asas abertas e esticadas de um animal.

 

Nos vídeos  abaixo podemos conferir um pouco mais sobre o Projeto Arara Azul!

 

 

 

 

Gostou de saber mais sobre essa belíssima ave? Deixe aqui o seu comentário!

Escrito por Laise Souza